WND Brasil coloca em operação rede de Internet das Coisas dedicada ao agronegócio brasileiro

A WND Brasil colocou em operação nesta quinta-feira (26), em Cuiabá, uma nova rede para conectividade dedicada à internet das coisas para o agronegócio. A rede já beneficia as cidades de Cuiabá, Rondonópolis, Sorriso, Cáceres, Sinop e Nova Mutum e segue sendo ampliada. Em todo o Brasil, a rede da WND Brasil já atende a mais de 80 milhões de pessoas.

É uma rede pública que pode ser acessada por qualquer dispositivo com chip Sigfox, e está disponível em mais de 100 cidades brasileiras, além das 12 principais regiões metropolitanas do país. Com tecnologia Low Power Wide Area (LPWA), a rede alia baixo custo de conexão, baixo consumo de energia e longo alcance, três importantes diferenciais que permitem a implantação massiva de soluções de internet das coisas em diversos setores da economia.

Oferecer conectividade para soluções de Internet das Coisas para o agronegócio é prioridade para a WND Brasil”, afirma o CEO da empresa, Francisco Cavalcanti. O COO do Grupo WND, Alexandre Reis, ressalta que baixo custo de conexão, baixo consumo de energia e longo alcance são diferenciais que podem impactar de forma muito positiva os negócios no agro brasileiro. “Nossa rede está pronta para ajudar”, afirma o executivo.

Os investimentos da WND Brasil totalizam US$ 50 milhões em três anos e, até o final do ano, a rede estará atendendo a 100 milhões de pessoas – quase 50% da população brasileira. A WND Brasil é parte do Grupo WND, operadora da SigFox para toda a América Latina e Reino Unido.

REDE DEDICADA AO AGRONEGÓCIOO lançamento da rede no estado de Mato Grosso ocorreu durante o encontro “Internet das Coisas de Baixo Custo: uma nova rede para revolucionar o agro brasileiro”, realizado no auditório do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-MT), em Cuiabá. O evento, uma promoção da WND Brasil e do Sistema Famato com apoio da ABINC – Associação Brasileira de Internet das Coisas, reuniu instituições de pesquisas e empresas para debater os benefícios que aplicações de IoT (Internet das Coisas) podem trazer para o mundo do agronegócio. Na programação, palestras do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária, da ABINC, SIGFOX e uma exposição sobre a rede da WND em todo o país e, em particular, em Mato Grosso.

Dois grandes painéis de debates com especialistas técnicos e representantes de empresas que já detém soluções em áreas do agronegócio foram realizados. As empresas que participaram do evento foram CPqD, Agrosmart, Hensys, Google Dev Group (Cuiabá), Logicalis, Agrusdata e Solinftec.

BENEFÍCIOS DO IOT PARA O CAMPO Uma rede de conectividade focada no agronegócio irá permitir o o desenvolvimento e a adoção de uma série de aplicações para trazer benefícios e, principalmente, maior produtividade ao campo.

Internet das coisas dedicada ao agro permite, por exemplo, a conexão de sensores que transmitem informações sobre as mais diversas atividades, como por exemplo, identificação da umidade de uma área ou terreno, a localização de máquinas e animais, condições atmosféricas, condições para semeadura e colheita, entre outros. Os dados colhidos pelos sensores são fundamentais para aplicações e processos na agricultura de precisão.

FIM